Peladas e Pelados

 

 

Pequeno Compêndio sobre Questões Táticas no Futebol

 

Durante muitos anos o que unia Marta, Gasolina e Diego era uma amizade colorida, um festerê danado, uma alegria gostosa do descompromisso gostoso. Ninguém sabia muito como aquela história começara, nem quem deu o primeiro flerte, muito menos quem sugeriu ideias de triangulações como forma de tornar o jogo mais prazeroso. O fato é que Marta, libertária como tal, era sempre a indicada como responsável pelo fuzuê. Embora alguns insistam numa versão mais endemoniada da história, pois Diego tinha uma capacidade universal de fazer milongas, de floreios e romances tempestuosos. Mas também era inegável a vocação do Gasolina para o gol... e este apetite nunca poderia ser desconsiderado para justificar aquela peleja tão sinuosa que os três participavam, divertiam-se, encantavam. E, sincera e honestamente, este encantamento entre eles gerava mais encantamento. Era difícil não gostar e não torcer por eles.

 

Marta era daquelas mulheres inesquecíveis.  Era fantasista, cerebral, ousada, corajosa, tratava a pelota com esmero, com gala. Tinha um faro de gol incrível. Eram numerosas as histórias de parelhas árduas resolvidas por soluções simples, mas absolutamente geniais. Assim era Marta, que ademais falava inglês, sueco, português e se tivesse que aprender italiano resolvia o trem em uma semana.

Gasolina, moço da pele preta, era definitivamente um homem de superlativos. Genial, objetivo, contumaz. Fazia gols como quem respira e era o homem das jogadas espetaculares. Para Gasolina não tinha zagueiro. A vida se apresentava e ele, com gala, com altivez e com aquela soberba de majestades, seguia adiante. Jogava o fino. Na verdade, desconfio, era a própria pelota em forma de gente.

Já Diego era mágico. Sim, a definição para aquele moço só poderia ser esta: mágico. Uma habilidade sobrenatural o acompanhava. Ninguém reparava em outra gente se Diego tivesse por perto. “Este tem pacto com o canhoto”, diziam. Devia ser verdade, pois a redonda grudava em seus pés, assim como os problemas, as confusões, as bebedeiras, as intensidades. Além de ser bailarino. Imaginem a confusão, entre sopapos e sapatilhas.

 

Mas o romance deles, que era uma história de muita fuzarca, liberdade e libertinagem, como nessas brincadeiras de bola em campos de futebol na rua ou nas praças e parques - não tinha muita regra, como todo jogo de recreio com tampa de refrigerante ou bola feita de papel amassado-, começou a ter problemas na mesma proporção em que resolviam estabelecer contratos, pactos, obrigações. Num jogo como estes, anotem, é batata que o ciúme venha empacotado com qualquer “porque você não me passa mais a bola”. E, convenhamos, qualquer ser vivente reconhece que o ciúme degenera qualquer encantamento.

E Gasolina queria ser melhor que Diego. E os dois resolviam pavonear. E quando pavoneavam, ainda que sem querer (não esquecendo às vezes em que isso acontecia por querer...) tratavam Marta como um bibelô, como um brinquedo para se ter. E nessa moléstia, acabava a elegância, sobrava bravata. Num jogo assim, sabemos, o vaticínio é o gol contra.

E aquela belezura de antes começou a ficar chata, tipo comercial de margarina: tudo lindo, maravilhoso, perfeito, mas nunca mais manteiga. E foi perdendo o viço, as cores e por fim, até, não jogavam mais se não fosse para competir. Dava pena, sabia... E como a vida assim vira campeonato, acabou tudo no tribunal de justiça desportiva.

Mas noutro dia a Marta resolveu ligar. Sempre ela, atrevida como só. Arteira, numa breve frase que resumia tudo: “O Campeonato Brasileiro vai começar e seria uma tremenda enorme e retumbante estupidez que nem uma cerveja a gente tome juntos.”.

 “Ô, seu Mané, desce aí umas ampolas que o negócio tá começando a esquentar...”. E o Mané trouxe foi um engradado cheio: “Vai faltar João.”.

maio, 2012.

PS.: Texto originalmente publicado no sítio "Biscate Social Club", numa semana sobre futebol organizada por lá. Detalhes, cá: http://biscatesocialclub.wordpress.com/2012/05/10/pontape-inicial/